鶹Ƶ

06.09.2023

Jubileu de Ouro comemora os 50 anos da primeira turma de Ciências Econômicas


Os alunos que homenageados se formaram no ano de 1971, mas as comemorações foram adiadas por dois anos
Os alunos que homenageados se formaram no ano de 1971, mas as comemorações foram adiadas por dois anos

A turma do ano de 1971 do curso de Ciências Econômicas da FAE Centro Universitário foi homenageada ontem, no dia 5 de setembro. Os ex-alunos  comemoraram a data em uma solenidade especial chamada de Jubileu de Ouro, realizada na FAE Business School, em Curitiba (PR). 

A turma de Ciências Econômicas contava, na época, com 39 formandos – desses, pelo menos 20 estarão na comemoração do Jubileu. Entre eles, havia três mulheres – as poucas representantes do ‘time feminino’ na faculdade. Tereza Pozzeti é uma delas. A economista se formou na FAE, estudou Economia Regional na Universidade de São Paulo (USP) e depois cursou o mestrado em Economia Rural no Rio Grande do Sul, com uma bolsa conquistada por meio da FAE. 

A preparação e o incentivo da 鶹Ƶ resultaram na ascensão na carreira de Tereza – ela participou de grandes projetos no Paraná, trabalhou na Secretaria de Planejamento do Estado e depois foi para Brasília, onde atuou na assessoria econômica do Ministério da Agricultura. “Por conta da ótima formação, com foco nos projetos sociais e excelente orientação dos professores, tive a oportunidade de ter uma visão ampliada de toda a economia do país e também a chance de participar de grandes transformações significativas para o Paraná, principalmente na economia rural”, ressalta Tereza. 

Ela se recorda de como era o Paraná, na época em que fazia faculdade, e comemora fazendo uma comparação com o crescimento do Estado e o que ele representa hoje na economia nacional. “O Paraná estava muito atrasado na década de 1970, e hoje o vemos como o grande produtor e exportador agrícola do país”, destaca a ex-aluna. 

O economista Valdemiro Branco Hildebrando também faz parte da turma do Jubileu. Ele teve uma carreira sólida e diversificada na área de Ciências Econômicas, atuando como conferencista, empresário, escritor, e ainda dedicou 35 anos da sua vida à docência na FAE e em outras universidades. Também obteve seu PhD nos Estados Unidos.

Após os 50 anos que se passaram, ele se recorda das transformações econômicas do país, comemora os avanços e lamenta que alguns setores não tenham se expandido tanto como poderiam, como é o caso da indústria. “Naquela época, tínhamos o Banco Central ainda em processo de organização, sem autoridade monetária, além de inflação, altas taxas de juros e crises devido à dívida externa. Ainda víamos a presença excessiva do Estado na economia e o país administrando dívidas públicas”, diz.

Hildebrando também ressalta a importância da evolução do agronegócio no Brasil e lamenta a redução da participação da indústria na economia. Ele se refere ainda à mão de obra qualificada que sai das instituições de ensino superior. “Nas universidades, vimos um grande crescimento, com a preparação qualificada de profissionais”, observa.

Outros economistas da turma incluem Rubens Braga, que se tornou diretor do Instituto de Previdência do Estado (IPE), e Arion Foerster, que atuou como técnico do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) e como assessor de assuntos econômicos do Estado do Paraná.

Confira a seguir algumas fotos do evento.




Galeria de fotos






Compartilhe: